quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Vó Cabocla - Mestre Ambrósio




Na loca da pedra,
No meio do mato
Bem longe dos olhos
De um gavião...

A vida é um presente
Que vem do passado
Eis que acharam no mato
A menina, então...

Miudinha... Miudinha...

Feito estrela na noite,
Disparada no dia
A menina crescendo
Era um rio correndo
Um riso que ria

Antes de tanta gente
Foi semente sozinha
Hoje o rio correndo
E a mata dizendo
?és minha! és minha!?

Vó Cabocla...

domingo, 9 de outubro de 2016

Carta para ti Madredeus




Fico
Para ti
Como sou

Aqui espero
Desespero
Como era
Sou quem era

Foi assim
Foi no tempo que passou
Foi sentir o teu olhar
Por mim fica quem já me chamou
Assim

Era
Para ti
Como sou

É o tempo
Que lamento
Vou esperar
Não vou esquecer

Foi assim
Que o tempo parou
Num lugar em mim
Que p´ra ti ficou

Estou aqui
No desejo
Do que vi
Do que vejo

Quero saber de ti
P´ra voltar a ver
Em mim o que vi
E não vou esquecer

Estou aqui
No desejo
Do que vi
Do que vejo

Fico
Para ti
Como sou

terça-feira, 26 de abril de 2016

SOBRE O TEMPO - NENHUM DE NÓS (RECORDAÇÕES ANOS 80)




   


Sobre o Tempo
Nenhum de Nós


Os homens trocam as famílias
As filhas, filhas de suas filhas
E tudo aquilo que não podem entender
Os homens criam os seus filhos
Verdadeiros ou adotivos
Criam coisas que não deviam conceber

O passado está escrito
Nas colunas de um edifício
Ou na geleira
Onde um mamute foi morrer
O tempo engana aqueles que pensam
Que sabem demais que juram que pensam
Existem também aqueles que juram
Sem saber

O tempo passa e nem tudo fica
A obra inteira de uma vida
O que se move e
O que nunca vai se mover.


quarta-feira, 13 de abril de 2016

As Noites Skank






As ruas desse lugar
Conhecem bem
As noites longas, as noites pálidas
Quando eu te procurava

As casas desse lugar
Se lembrarão
Do nosso abraço, da sombra insólita
Espelho azul no chão

As ruas desse lugar
Agora eu sei
Sempre escutaram a nossa música
Quando eu te respirava

As pedras municipais
Se impregnaram
Da dupla imagem, da dupla solidão
A sombra ali no chão

E lá no céu constelações
Num arranjo inusitado
O seu nome desenhado
Pelo menos tinha essa ilusão

E lá no céu os astros
Num arranjo surpreendente
Se buscavam como a gente
Pelo menos tinha essa ilusão

São milhares de estrelas
Singulares letras vivas no céu

As ruas desse lugar
Conhecem bem
As noites longas, as noites pálidas
Quando eu te procurava

As casas desse lugar
Se lembrarão
Do nosso abraço, da sombra insólita
Espelho azul no chão

E lá no céu constelações
Num arranjo inusitado
O seu nome desenhado
Pelo menos tinha essa ilusão

E lá no céu os astros
Num arranjo surpreendente
Se buscavam como a gente
Pelo menos tinha essa ilusão

São milhares de estrelas
Singulares letras vivas no céu
São milhares de estrelas
Singulares letras vivas no céu

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

A LA F. Nietzsche - AFORISMOS... SOU MUITO BOA NISSO!!!

A minha ambição é dizer em dez frases o que outro qualquer diz num livro -, o que outro qualquer «não» diz nem num livro inteiro...

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Vander Lee Meu Jardim (com letra)






Tô relendo minha lida, minha alma, meus amores
Tô revendo minha vida, minha luta, meus valores
Refazendo minhas forças, minhas fontes, meus favores
Tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores

Tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho
Tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho
Tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho
Escrevendo minhas cartas, meu começo, meu caminho                            

Estou podando meu jardim
Estou cuidando bem de mim

Seguidores